30 de dezembro de 2016

Intenso, excessivo

Papel. Caneta. Um dois mil e dezessete de novas histórias.
Tchau, hasta luego, goodbye.

A onomatopeia perfeita pra definir essa conclusão poderia ser um ufa! daqueles bem intensos, de cansaço, de pós corrida numa esteira. E esse ano, mais do que todos os outros, passou tão rápido e a gente quase não percebeu. Piscamos e já era fim de julho. Metade de tudo.

E hoje eu tô aqui: escrevendo uma retrospectiva (ou um lamento?) enquanto esse ano vai embora. Esse foi o espetáculo perfeito. Foram os doze meses das experimentações, das oportunidades, das descobertas, e dos nossos maiores aprendizados. Dois mil e dezesseis foi o ano que arrancou muitos sorrisos, vitórias, choros e tensões. Dois mil e dezesseis foi incerto, novo, trágico, sarcástico. 2016 foi o agora ou nunca. 8 ou 80. Muito ou nada.

E deve ser por todas essas condições que eu me identifiquei tanto com ele. Me arrisco a dizer que foi o melhor ano da minha vida, e quero que ele só perca para os próximos que virão. Me encanto com intensidades e mergulho nos exageros. E dois mil e dezesseis foi uma imersão em coisas novas.

Ê ano que vai deixar saudade! Outro dia eu deitei na cama pra dormir, olhei pro teto e perdi o sono. Fiquei pensando em tudo que eu vivi. Essa bad sempre bate em todo dezembro. Mas dessa vez foi mais intensa. Será porquê? Porque exatamente t u d o que passou foi demais. Inacreditável.

Sou um pouco apegado a coisas, mas os momentos é os que mais me fascinam. Guardo memórias, porque acredito que esses resquícios são tão eficaz quanto as vivências para nos dar o prazer de contar depois o quão maravilhoso ou frustrante foi.

Dois mil e dezesseis vai. E ainda deixa um pedaço seu em mim. Foi nesse ano que eu me tornei mais comunicativo, ajudei mais pessoas, viajei de avião, conheci um outro país, me superei, enchi a cara várias doses de experimentação. E digo mais: eu faria tudo outra vez!

Que dois mil e dezessete e todos as próximas edições de anos vividos sejam uma chuva de inspirações em dias secos e um café em dias frios! ♥

Por fim, nunca se esqueça de mergulhar na dor e na delícia de ser o que é.

Bem vindo, bienvenido, welcome.


Nenhum comentário:

Postar um comentário