18 de abril de 2016

Eu vou ser rebelde pra sempre!

O meu pior lado é aquele que se esconde debaixo de uma túnica branca. É aquele que apresenta alma angelical, perfeita, clara, única. É aquele que me faz acreditar que existe apenas uma verdade absoluta, e que violá-la poderá ser uma ação autodestrutiva. É aquele que me condena pelas minhas vontades, insinuando que elas são pecados repudiantes.

É também o que me proíbe de vestir a roupa que quero, de beber o que quero e de acreditar naquilo que tenho afinidade, e me estimula a deixar de fazer muita coisa culturalmente diferente apenas porque certas coisas não vão agradar algumas pessoas.

Ele me obriga a escolher entre coisas essenciais, e me faz seguir uma doutrina em que não acredito. Quer me levar para o culto do senso comum, enquanto me reprime por eu gostar de ser independente. Diz que preciso encontrar um rumo ainda aos dezessete anos, que devo estabelecer uma relação séria com uma certa pessoa e que a minha profissão deve render um salário alto. Que a vida deve ser levada muito a sério. Que as minhas emoções devem ser guardadas. Que os meus momentos de prazer são loucuras e fases de rebeldia. E que meu cabelo deve ser penteado pro lado, que corte diferente é coisa de malandro.

O meu pior lado, ou, o pior lado de mim, é aquele que me corrói enquanto fala em preservação do meu corpo. E esse lado está em mim desde quando eu assumi o compromisso de estar aqui.

Com o tempo, percebi que meu estilo de vestir só depende do que sou, e não daquilo que as pessoas pensam. Que o meu modo de pensar, agir, falar e protestar não é eterno, mas que também não é uma fase. Não preciso estar em ira pra usar um jeans rasgado, uma regata larga ou ingerir uma dose de loucura. Só preciso estar vivo.

Esse meu lado já cansou de me querer obrigar a seguir uma religião, usar uma peça de roupa, chegar mais cedo em casa, diminuir nas doses de liberdade, parar de andar com aquela turma mal vista e estar ciente que, daqui alguns anos, minha vida tem que engrenar, de um jeito ou de outro.

Mas eu sei que o futuro que tanto falam é agora, daqui alguns segundos, semana que vem. E pra esse tempo, eu quero ser feliz e deixar claro que, se as minhas escolhas são sinônimos de rebeldia, eu serei rebelde pra sempre (e quase um protagonista da novela mexicana!).

3 comentários:

  1. Adoro seus textos! Vc escreve muitíssimo bem!
    http://curaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Nathalie!
      Que bom que gosta deles! Muito obrigado! :)

      Beijo e volte sempre!

      Excluir
    2. Muito bom! Parabéns! Continue escrevendo!!

      Excluir