12 de julho de 2015

Espaço Comum Luiz Estrela

Olá! Tudo bem?
No último sábado (11), visitei o Espaço Comum Luiz Estrela, e  hoje vim contar um pouco pra vocês de como foi conhecer esse local. Fui com amigos Jovens Agentes Ambientais e amigos do Laboratório (ambos projetos do Instituto Inhotim.)

O Espaço Comum Luiz Estrela foi inaugurado no dia 26 de outubro de 2013. É um local autogestionado que funciona no bairro Santa Efigênia, na cidade de Belo Horizonte. Na época em que foi inaugurado com esse nome, estava fechado há vinte anos. A faxada do prédio tem uma pintura desgastada, reforçado por grandes escoras de madeira.
O casarão foi construído para ser um hospital militar, segundo a uma apoiadora do espaço. Mas já foi usado como escola e como hospital psiquiátrico. É perceptível a idade do local ao observar a estrutura interna e externa do prédio. A história diz que lá já foi um cenário de severa educação para crianças.


Hoje em dia, os moradores utilizam um espaço ao lado do prédio para promover teatros, cinema, shows e outras atividade totalmente abertas ao público. Esse pátio é cercado de belas frases escritas nas paredes. Uma das mais belas coisas do local é uma bicicleta, que, em sua estrutura, tem escrito um poema. No guidom da bicicleta está escrito "Partir, nunca voltar".




Se você é um artista, ou sabe fazer algum tipo de show/apresentação, o Espaço Comum Luiz Estrela te espera! Confira mais algumas fotos do prédio:

Uma das salas internas do prédio, onde estão as antigas portas da construção.


Uma foto de Luiz Estrela, o inspirador do grupo.
Meu corpo, minhas regras.
E por que o nome Luiz Estrela? Ele foi um artista e poeta belo-horizontino, morador de rua.

Caso você queira visitar o local, ele se localiza na Rua Manaus, número 348 no Bairro Santa Efigênia, em Belo Horizonte. Você também pode doar e acompanhar o trabalho deles pela página do facebook (clique aqui.)


O mais incrível é que o espaço surgiu em uma época em que o povo brasileiro lutava a favor de melhorias, pois foi logo após as manifestações e a Copa do Mundo. A imagem que passa é de um grupo que luta por uma sociedade igual, de direitos para todos.

A história macabra do casarão (que eram tratamentos severos, dopavam as crianças até a morte), se transforma em um local totalmente aberto e livre de preconceitos.

O que você achou do local?
Deu vontade de visitar também? Conta aí nos comentários!
Até mais!

4 comentários:

  1. Achei o local bem forte, mas divido opiniões: O lado sombrio, velho, escorado aguça meu olhar fotográfico... Porém é um lugar perigoso não? rs

    Adorei as frases, adorei poder ler um pouquinho sobre o local, irei visitar um dia.

    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um maravilhoso cenário fotográfico com toda certeza!
      Dá um pouquinho de medo porque a construção é bem desgastada rs
      As frases é a parte mais perfeita do local! <3

      Beijo e volte sempre!

      Excluir
  2. Passei ontem em frente ao casarão. Não sabia o que era nem do que se tratava. A princípio achei ser simplesmente um imóvel abandonado e ocupado. Não conhecia a história do local. Fiquei curioso e fui buscar informações. Realmente o cenário fotográfico deve ser fantástico e acho um absurdo o mesmo não ser devidamente restaurado para uso como espaço cultural. Da forma como está, coloca em risco a integridade das pessoas que o utilizam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho que é um absurdo termos construções tão significativas, sendo abandonadas e ocupadas pelo tempo. O local tem uma energia muito forte, por já ter sido um espaço de tanta rigidez.

      Obrigado pela visita! ;)

      Excluir