23 de janeiro de 2015

FELICIDADE CLANDESTINA

Aí embaixo está um dos meus melhores, ou diremos mais bem escritos de todos meus textos e poemas. O título foi inspirado na Clarice Lispector, quando li no meu livro de Português um texto com esse nome. Escrevi ele há um ano, quando apenas enviava para meus amigos. Já me emocionou muito e já me fez ter orgulho de mim mesmo. A Felicidade Clandestina é a Felicidade do nosso jeito, incorreta, incomum e além de tudo inabalável. Obrigado por dedicar alguns minutos a esse quase breve trecho!

“Estávamos então: Eu, minha breve consciência e alguns rastros de alcoolismo. Depois de mais uma daquelas noites loucas que haviam me habitado, depois daquelas mentiras que haviam me enganado, e depois do desejo, que havia me possuído. Estávamos juntos, eu direi que apenas vazios. E não me refiro das garrafas de Whisky acabadas, muito menos da decoração do cômodo. Me refiro à todas as promessas não cumpridas, o espírito empobrecido da vaga memória, faltoso espírito de espírito. Algo a mais como diremos sem conteúdo. Coisas apenas que devo esquecer... Ou que não consigo. Difícil para quem acabara na ressaca de começo de semana, depois da melancólica noite sóbria, escura, sombria e perspicaz. Ela logo percebera que ali habitava alguém totalmente necessitado da luz do dia, para a próxima noite... Ou ainda adormecer na escuridão eterna. Percebera o quão aquele expunha sua intimidade. Indeciso da sua personalidade. Dupla. Duas delas. Mas nenhuma, nenhuma delas definida. Metade humano, Metade inconformado. E de todas elas, apenas uma face verdadeira, da qual posso quase confirmar: a da que só queria esquecer a lógica dos motivos. Os métodos do destino. Além da perca dos sentidos. Queria apenas ficar no canto daquela sala, sofrendo em silêncio. Outrora apenas queria gritar da sacada do apartamento para  que a vizinhança inteira ouça... eu preciso. Não apenas de palavras, muito menos de consolo. Estou farto das breves promessas não cumpridas. Não me venham com nada que seja para amanhã. Antes que o dia amanheça não quero ver-lhe, querido interior, festejar o meu próprio fracasso. Antes que o sol volte a raiar, antes que o galo volte a cantar, antes que o despertador tente me despertar... venha de volta. Mesmo naquele rosto cheio das olheiras de quem sofreu da insônia à noite. Dessa vez não vou pintar meu rosto com aquele sorriso de sempre, muito menos sair por aí falando que está tudo bem. Nem vou chorar honras e decepções, para que não borrem minha felicidade estampada nas maçãs do rosto. Muito menos lamentar e fingir que me importo... a partir de hoje vou escancarar a clandestinidade desse momento, consequente da mínima preocupação com os outros. Causa da decorrente falta de motivos de riso, o rosto vai escancarar sorrisos, os olhos vão chorar de rir, e as gotas na pele serão apenas chuva. Daquelas de verão. Daquelas que chegam e regam completamente o ser. Ela vem a despir-me da minha personalidade e vestir-me com novos jeitos e maneiras. Novas causas e aprendizado às consequências. Mas vem tocável, devagarzinho, para que eu sinta. Após o sol volte a raiar, Após um arco-íris revista-se no céu. São apenas essas coisas que fazem felicidade: Um dia iluminado, um riso frouxo e um café com afeto. De tudo um pouco, numa agridoce receita. Afeto, Açúcar e ainda algumas colheradas de Felicidade Independente.”
Clarice Lispector - Google.



A inspiração nunca passa, ela, às vezes, se adapta aos momentos!
Desejo muita Felicidade Clandestina pra você! ♥

Se você curtiu, gostou, se identificou e quer ver (ou ler) mais, fala aí embaixo nos comentários. Até mais!



6 comentários:

  1. Já falei que eu amo de verdade esse seu texto? Sério, muito bom mesmo! Um show! Escreva mais... e mais, e mais, por favor!

    Beijoooo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre vou ♥
      "A inspiração nunca acaba, ela apenas se renova!"

      Beijão e acompanhe sempre! :D

      Excluir
  2. Amei o texto super poético, com possibilidades de adentrar nas narrações descritas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Cláudio!

      Visite sempre!
      Abraços.

      Excluir
  3. Maravilhoso texto, orgulhosa por você, e parabéns pelo talento nato *-* Quero muito mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabi, que bom que gostou!
      Obrigado e você vai ter sempre muito mais! :D

      Continue Acompanhando!
      Beijão.

      Excluir